Dória se recusa a receber representantes do movimento negro para discussão sobre violência policial

João Dória alega que está focado no atendimento às demandas da pandemia da Covid-19 – Foto: Divulgação

Na tarde da última terça-feira (27), um grupo de 29 instituições de movimentos negros e sociais divulgaram um vídeo expondo as recentes abordagens policiais no Estado de São Paulo. A mais recente delas, um policial branco pisou no pescoço de uma mulher negra, de 51 anos, em Parelheiros, zona sul da capital paulista. 

De acordo com o grupo, o vídeo foi publicado nas redes sociais devido a negativa do governador de São Paulo, João Dória (PSDB), de se reunir com lideranças dos movimentos para cobrar do governo uma clareza nos números de violência e exigir um protocolo de abordagem policial. 

Ainda segundo informações do grupo, dados oficiais do governo paulista, publicado pelo portal R7, mostra que a cada 16 horas um jovem negro é assassinado pela Polícia Militar, em São Paulo. Somente no primeiro trimestre deste ano, a Polícia Militar matou 218 pessoas e, destas, 129 são pessoas negras. 

O primeiro pedido de reunião foi realizado no final de junho, mas ainda não havia sido atendido. No entanto, no dia 17 de julho, as organizações fizeram um novo pedido de audiência tendo apoio na condição de testemunha de algumas pessoas influentes como: a atriz Zezé Mota, os músicos Emicida e Evandro Fióti, a escritora Djamila Ribeiro e vários outros. Porém, novamente não obtiveram resposta. 

O que diz o governo

Em nota, o Governo de São Paulo informou que o Governador João Dória convocou o vice-governador e quatro secretários para atender as entidades, pois a sua agenda está dedicada ao combate à pandemia do coronavírus. “A reunião estava agendada para esta terça-feira (28), às 19h, no Palácio dos Bandeirantes, com o vice-governador e secretário de Governo, Rodrigo Garcia; o chefe de gabinete secretário particular, Wilson Pedroso; o secretário da Segurança Pública, general João Camilo Pires de Campos; o secretário da Justiça e Cidadania, Paulo Dimas Mascaretti; a secretária de Desenvolvimento Social, Célia Parnes; e o ouvidor das polícias, Elizeu Soares Lopes.” Todavia, os movimentos não aceitaram essa reunião sem a presença do governador de imediato. 

Para que o governador receba o grupo, foi criado nas redes sociais a #RecebeDoria.

Fonte: noticiapreta.com.br