Regina Casé sobre preconceito: “Brasil está engatinhando em igualdade racial”

Regina Casé (Foto: Reprodução/ Instagram)

Regina Casé se tornou uma espécie de embaixadora dos grupos que mais sofrem preconceito no Brasil. Por meio de sua arte, a atriz e apresentadora levanta questões polêmicas e mostra representantes de uma parcela da população muitas vezes sem voz na sociedade.

Em conversa com QUEM, ela contou apoiar projetos valorizadores da igualdade racial e revelou como o racismo a atinge diretamente. Além de ser mãe de um menino negro, Roque Ciavatta, sua filha mais velha, Benedita Zerbini, é casada com João Pedro Januário, com quem tem o pequeno Brás.

Regina Casé e o filho, Roque (Foto: AgNews)

Regina Casé e o filho, Roque (Foto: AgNews)

“Eu participo sempre de causas assim há muitos anos. Em 2018, eu apresentei o Prêmio Sim à Igualdade Racial e todo ano estou como embaixadora e tento promover ao máximo o evento. Estou muito feliz que nesta edição, eu consegui trazer o Gilberto Gil para fazer um show. Acho que é importante a gente estar junto. Haja o que houver, eu sempre venho, porque acho esse tipo de evento importantíssimo. Esse em especial é muito importante”, declara.

Para Regina, a população negra ainda tem muito que conquistar. “Acho que a gente ainda está engatinhando em igualdade racial no país, onde a maioria da população é negra. Temos reconhecer melhor os negros no Brasil. Com a riqueza que a gente tem em todos os aspectos, não só produzidas aqui, mas que vieram junto com os ancestrais destas pessoas, que vieram da África, que deram uma contribuição enorme para o que somos atualmente, para a identidade brasileira”, afirma.

Benedita Zerbini e Regina Casé (Foto: Reprodução/Instagram)

Benedita Zerbini e Regina Casé (Foto: Reprodução/Instagram)

A artista não tem dúvidas de que ela e a filha são vítimas desse preconceito indiretamente. “Vejo o tempo todo esse tipo de preconceito. Não só a minha filha é casada com um negro, como eu tenho um filho negro. Se ela está em um carro onde só tem negros e ela só de branca, ela é parada no mesmo percurso que a gente duas ou três vezes. A abordagem é de maneira diferente. Acho que está mudando porque está tendo mais espaço para que as pessoas lutem contra isso. Mas claro que ainda existe muito racismo”, lamenta.

Regina acredita que as mudanças comportamentais podem se dar com diálogo e esclarecimento. “É só se colocar no lugar do outro. Isso se chama empatia. Você pensar em cada coisa que for fazer se colocando no lugar do outro. Pare e pense: ‘se eu fosse negro, como eu ia estar sendo recebido aqui? Como esse cara ia estar me tratando? Quais oportunidades eu teria? E por aí vai”, explica.

Regina Casé com marido, Estevão Ciavatta, e caçula, Roque (Foto: DILSON SILVA/AGNEWS)

Regina Casé com marido, Estevão Ciavatta, e caçula, Roque (Foto: DILSON SILVA/AGNEWS)

Internacionalmente premiada com sua Val, no filme Que Horas Ela Volta?, a atriz deu vida a uma nova empregada doméstica no longa Três Verões, com estreia prevista para o segundo semestre deste ano. “Se eu conseguir quebrar este preconceito de que empregada não é tudo igual, o filme já valeu para mim. Porque as pessoas dizem: ‘outra empregada? Vai ser igualzinha a outra’. Por que que todas as patroas são diferentes e as empregadas são iguais? Vamos refletir sobre isso. Isso é um puta preconceito. Cada uma mulher tem sua história”, justifica.

Há 18 anos focada em seus programas de televisão, Regina se prepara para voltar às novelas, na estreia de Manuela Dias no horário mais nobre da TV brasileira, em Amor de Mãe. “A novela está muito legal. Tive a primeira reunião e a personagem é apaixonante! Mas não começou nem a preparação ainda. Nós tivemos só as primeiras reuniões. Eu desacostumei (com a rotina intensa de gravações de um folhetim). Estou apavorada, mas na hora vai dar tudo certo”, brinca a responsável em interpretar uma mãe pobre, que sai do interior de Minas Gerais em busca do filho que foi vendido pelo próprio pai.

Regina Casé com o marido, Estevão Ciavatta, o filho, Roque, e o neto, Brás (Foto: Reprodução/ Instagram)

Regina Casé com o marido, Estevão Ciavatta, o filho, Roque, e o neto, Brás (Foto: Reprodução/ Instagram)

A última trama que atuou do começo ao fim foi As Filhas da Mãe (2001), de Silvio de Abreu. “O tempo vai passando e a gente não se dá conta. Eu achava que há poucos dias eu tinha atuado (risos). Mas estou gostando muito de estar de volta e acho que também em cada momento da sua carreira, você tem como dar uma contribuição diferente. Houve uma época em que para as ideias que eu queria mostrar, as coisas que eu queria fazer, eu precisava estar como apresentadora. Acho que agora minha contribuição, não só na televisão, mas no cinema, no teatro, principalmente. Quando eu termino a peça, as pessoas falam: ‘você me fez fazer as pazes com o Brasil’. Agora estou contribuindo mais como atriz do que como apresentadora. Acho que é hora de eu ficar um tempinho, um ano ou dois, me dedicando exclusivamente a isso”, conclui a atriz, que está em cartaz com o Recital da Onça.

Regina Casé está em cartaz com o Recital da Onça (Foto: Reprodução/ Instagram)

Regina Casé está em cartaz com o Recital da Onça (Foto: Reprodução/ Instagram)

Fonte: revistaquem.globo.com