Cresce contratação de pretos e pardos com todos os níveis de escolaridade

O número de vínculos empregatícios cresceu para cidadãos pretos (4,3%) e pardos (1,9%) com ensino médio, completo ou incompleto - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Destaque ficou com o nível superior completo e incompleto, nos quais a participação cresceu 8,6% e 2,9%, respectivamente, segundo a Rais

Os dados apresentados na Relação Anual de Informações Sociais (Rais) trazem uma boa notícia para a busca pela igualdade racial no Brasil: em 2017, cresceram as contratações de negros e pardos com todos os níveis de escolaridade. De acordo com o Ministério do Trabalho, o destaque ficou com o grupo com nível superior completo, cuja participação no mercado de trabalho cresceu 8,6%. Aqueles com nível superior incompleto conquistaram 2,9% a mais de postos.

O número de vínculos empregatícios também cresceu para cidadãos pretos (4,3%) e pardos (1,9%) com ensino médio, completo ou incompleto. “No entanto, o maior avanço nesse nível de escolaridade foi percebido na modalidade raça/cor indígena, com um crescimento de 5% na comparação com os dados de 2016”, informou em nota o Ministério do Trabalho.

No recorte regional, o destaque foi a região Sudeste, com o maior número de contratações para esses grupos populacionais: foram 6,7 milhões de pretos e pardos contratados, além de 32,6 mil indígenas. Quanto aos setores produtivos com mais postos ocupados destacam-se:

  • Serviços – 6,28 milhões de pretos e pardos e 38,5 mil indígenas
  • Comércio – 3,52 milhões de pretos e 14,3 mil indígenas
  • Indústria de transformação – 2,43 milhões de pretos e pardos e 10,9 mil indígenas

Sobre a Rais

A Rais é a base de dados do governo que compila informações sobre empregadores e trabalhadores formais no Brasil. “O documento é um dos mais importantes para as estatísticas brasileiras porque traz informações sobre todos os empreendimentos formais do País, desde aqueles sem nenhum funcionário até empresas com milhares de empregados”, explica, em nota, o Ministério do Trabalho. Os levantamentos da Rais são utilizados como subsídio para elaboração de políticas públicas de emprego do governo e para o pagamento de benefícios.

Fonte: Governo do Brasil, com informações do Ministério do Trabalho